AgRural estima que plantio da soja atingiu 83% no Brasil

O levantamento da consultoria AgRural mostra que o plantio da safra brasileira de soja até a quinta-feira (24/11) atingiu 83% da área prevista. O avanço foi de dez pontos percentuais nesta semana. Os trabalhos estão ligeiramente mais acelerados em relação aos 81% do mesmo período do ano passado e aos 80% da média dos últimos cinco anos.

A AgRural estima a produção brasileira de soja na safra 2016/2017 em 100,4 milhões de toneladas, com aumento anual de 0,6% na área plantada. Os números serão revisados no dia 9 de dezembro.

Fernando Muraro, sócio-diretor da AgRural, observa que o plantio está encerrado em Mato Grosso do Sul, onde o clima inspira cuidado, devido à falta de chuva em alguns pontos, especialmente em sua porção sul, que tem recebido volumes baixos e irregulares desde o início da safra.

Segundo ele, na região de Dourados cerca de 30% da área está em floração e a soja está adiantando o ciclo em alguns talhões, por causa das falta de umidade e das altas temperaturas. “Se a combinação de tempo quente e seco persistir até o fim de novembro, o potencial produtivo será afetado”, diz ele.

A AgRural constatou que o norte do Paraná também tem sentido a falta de chuvas mais regulares. Na região de Maringá, as plantas estão com porte reduzido e demorando para fechar as linhas. No oeste, que planta mais cedo, 7% da área já está em formação de grãos. Não se fala em perdas por enquanto, mas a soja precisa receber umidade nos próximos dias para que a expectativa de boa produtividade se mantenha, diz a consultoria.

Em Mato Grosso o clima é de otimismo, pois as lavouras têm recebido boas chuvas e as estão excelentes. Muraro ressalta que no caso das lavouras que estão em estágio mais adiantado, que devem ser colhidas no fim de dezembro, o único temor é de que haja excesso de chuva na colheita. “Se a chuva não atrapalhar, aliás, janeiro deve registrar volume recorde de soja mato-grossense entrando no mercado”, diz ele.

Os técnicos da AgRural constataram que em Goiás, as lavouras do sudoeste também têm bom potencial. “O leste, que teve um início de safra seco, agora recebe bons volumes de chuva e a semeadura caminha bem”, dizem os técnicos.

Segundo a AgRural, Minas Gerais também tem recebido precipitações abundantes e o plantio vai sendo feito nos intervalos das chuvas. Em São Paulo, a semana foi de tempo mais firme, mas a umidade do solo continua boa. Também com boa umidade, o Matopiba segue com plantio acelerado. Os baixos volumes previstos para as próximas duas semanas, entretanto, devem resultar em diminuição do ritmo dos trabalhos.

Na região Sul, os produtores do Rio Grande do Sul e de Santa Catarina aproveitaram o tempo firme dos últimos dias e a previsão de chuva no fim de semana para acelerar o plantio, “tirando o atraso causado pelo excesso de chuva em outubro e início de novembro”, diz a AgRural.

Milho verão

No caso da safra de milho verão 2016/17, a AgRural estima que o plantio até ontem atingiu 87% da área Centro-Sul. “Com os trabalhos já encerrados no Sul, os responsáveis pelo avanço semanal de oito pontos percentuais foram Minas Gerais, São Paulo e Goiás. O ritmo está mais acelerado que o do ano passado, quando 77% da área estava semeada, e em linha com os 86% da média de quatro anos”, diz a AgRural.

Fernando Muraro comentou que o tempo seco preocupa produtores que já têm lavouras de milho em fase reprodutiva. No Rio Grande do Sul, pancadas esparsas durante a semana conseguiram garantir umidade em algumas lavouras, mas houve áreas que ficaram sem receber chuva, diz ele.

Segundo a AgRural em Minas Gerais o milho tem bom desenvolvimento inicial no Triângulo e no noroeste, graças aos bons volumes de chuva que vêm sendo registrados. Em Goiás, o plantio segue para a reta final na região sudoeste. Em São Paulo, a semana foi de pouca chuva, mas o solo ainda apresenta boa umidade.

Fonte: Revista Globo Rural